GRAF9434. MÉRIDA, 11/03/2018.- La rotura de tres barreras de contención colocadas en el río Guadiana para retener el camalote ha hecho que esta planta invasora se expanda por zonas del río y el canal a la altura de Mérida, conocido como Guadianilla, lo que ha obligado a suspender el Campeonato de Extremadura de Piragüismo que se iba a celebrar esta mañana. EFE/Jero Morales

CNRS: Espécies invasoras custaram1,09 biliões de euros nos últimos 50 anos

This post is also available in: Español (Espanhol)

Foto Arquivo EFE/Jero Morales

París, 31 mar .- As espécies invasoras tiveram custos mundiais avaliados em 1,28 biliões de dólares (1,09 biliões de euros), ao longo dos últimos 50 anos, indica uma investigação de especialistas de todo o mundo..

O valor (de 1970 a 2017) traduz-se numa média anual de 26,8 mil milhões de dólares (22,8 mil milhões de euros) mas a “fatura” anual triplicou em cada década, atingindo em 2017 os 162,7 mil milhões de dólares (138,5 mil milhões de euros), 20 vezes os orçamentos combinados da Organização Mundial de Saúde e da ONU nesse ano.

Nature

A investigação, publicada na revisa científica “Nature”, mostra que as espécies invasoras influenciaram a perda de biodiversidade, os rendimentos das culturas e tiveram impactos económicos em setores além da agricultura, como o turismo ou a saúde pública, desviando anualmente milhões de euros dos contribuintes, e que apesar disso pouco está a ser feito pela falta de reconhecimento desse impacto por parte da sociedade e dos decisores políticos.

As invasões biológicas acontecem quando espécies animais, vegetais e agentes patogénicos são, deliberada ou acidentalmente, introduzidas em regiões onde não pertencem naturalmente e se tornam uma ameaça ambiental.

Os investigadores analisaram milhares de estimativas de custos e utilizaram modelos para calcular perdas anuais médias de 22,8 mil milhões de euros entre 1970 e 2017, causadas pelas espécies invasoras.

Ao mesmo tempo os investigadores salientam a importância de se olhar para as despesas crescentes decorrentes das espécies invasoras, que devem aumentar nos próximos anos.

“Esta fatura de biliões de dólares não mostra qualquer sinal de abrandamento, com um aumento consistente três vezes superior em cada década”, disse o principal autor do estudo, Christophe Diagne, da Universidade de Paris-Saclay (centro universitário em Paris).

“As nossas estimativas globais anuais significam uma enorme carga económica, com um custo médio a exceder o produto interno bruto de 50 países em África em 2017”, acrescentou.

EFE/Pedro Puente Hoyos

EFE/Pedro Puente Hoyos

Corey Bradshaw, da Universidade de Flinders (Austrália) diz no artigo da Nature sobre o estudo que as invasões biológicas são cada vez mais exacerbadas pela globalização e pelas alterações climáticas e que nenhum governo está pronto para gerir a situação sem elevados custos.

“Descobrimos que os custos quase duplicam a cada seis anos, um padrão que imita o aumento contínuo do número de espécies exóticas no mundo”, disse.

Os autores do estudo enfatizam que apesar dos impactos ecológicos devastadores (as espécies invasoras são a segunda causa de extinção de espécies autóctones) as pessoas, incluindo os decisores políticos, continuam em grande parte inconscientes das ameaças das espécies exóticas invasoras, alertam que as estimativas de custos apresentadas são conservadoras e apelam para acordos políticos internacionais que visem reduzir o impacto das espécies invasoras.

 

PT/ GUIA DAS ESPÉCIES EXÓTICAS E INVASORAS DOS RIOS, LAGOS E ESTUÁRIOS DA PENÍNSULA IBÉRICA

 


About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua