Río Tajo

Considera “inaceitável” proliferação de plantas invasoras aquaticas no Tejo

Numa pergunta dirigida ao ministro do Ambiente e da Ação Climática os deputados Maria Manuel Rola, José Maria Cardoso, Fabíola Cardoso e Nelson Peralta referem que uma “mancha densa de Azolla” cobriu por dezenas de quilómetros a superfície do rio Tejo e seus afluentes no Parque Natural do Tejo Internacional, junto à albufeira de Cedillo, situada na fronteira entre Portugal e a Comunidade Autónoma da Extremadura (Espanha).

Os deputados sublinham que a qualidade da água, bem como as comunidades aquáticas e ripícolas de rios e ribeiras, “pode ser seriamente afetada por manchas de plantas exóticas e invasoras como as de Azolla”, que cobre a superfície das massas de água e impede a entrada de luz solar e esgota o oxigénio, “tornando a água anóxica e inóspita para os organismos aquáticos”.

“O Bloco de Esquerda considera inaceitável que fenómenos de proliferação descontrolada de plantas exóticas invasoras ocorram com cada vez mais regularidade e intensidade no rio Tejo e seus afluentes, pondo em risco tanto a qualidade da água que abastece as populações, como os ecossistemas e os valores ecológicos do Parque Natural do Tejo Internacional”, sustentam.

Neste âmbito, os bloquistas perguntam se o Governo tem conhecimento da proliferação descontrolada da planta aquática exótica invasora Azolla no rio Tejo e seus afluentes em Castelo Branco e se conseguiu identificar a origem deste fenómeno.

“Está o Governo em condições de disponibilizar informação e dados dos parâmetros da qualidade da água antes e após a proliferação de Azolla no rio Tejo e seus afluentes”, questionam.

Os deputados querem saber se o Governo tem articulado com as autoridades do Estado espanhol um regime de caudais regulares que garantam as necessidades ecológicos e a boa qualidade da água do rio Tejo e seus afluentes e que medidas prevê adotar para evitar situações como esta no futuro.

“Que papel desempenha a irregularidade dos caudais do rio Tejo e seus efluentes na ocorrência cada vez mais frequente e intensa de manchas de Azolla” e “qual é o estado ecológica das comunidades aquáticas e ripícolas do rio Tejo e seus afluentes, junto à albufeira de Cedillo”, pergunta o BE.

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) revelou na terça-feira que efetuou recolhas de amostras da planta aquática que surgiu no troço internacional do rio Tejo e nos seus afluentes Ponsul e Aravil, e admitiu a sua remoção mecânica.

“Estas ocorrências são recorrentes nestas massas de água, dado que os esporos podem permanecer de uns anos para os outros, sendo embora temporários, pelo que tenderão a desaparecer”, explicou então, em comunicado, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

A associação ambientalista Quercus denunciou, também na terça-feira, a presença anormal de uma quantidade massiva de plantas aquáticas invasoras numa extensão de vários quilómetros no troço internacional do rio Tejo e nos seus afluentes, rios Ponsul e Aravil.

Foto: Arquivo EFE/J.J. Guillén

 


O conteúdo deste documento reflete unicamente as opiniões dos
seus autores e a União Europeia/EASME não é responsável pelo uso que
se possa fazer da informação aqui contida.


 

About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua