Especialista defende conservação contra reflorestamento indiscriminado

Lourdes Uquillas / Madri, 16 de março (EFE) .- A conservação de áreas naturais deve ser uma prioridade contra o reflorestamento indiscriminado, segundo o professor da Universidade de Lleida (noroeste da Espanha), Víctor Resco de Dios.

Em relação ao anúncio de várias organizações para o plantio de um bilhão de árvores, o Resco de Dios, por ocasião da celebração do Dia da Floresta, em 21 de março, sustenta que esta ação “não impedirá a mudança climática” e garante que não é a favor de repovoar áreas “intensivamente”.

O professor se refere à iniciativa promovida pelo Fórum de Davos, apoiado entre outras organizações pelo WWF e Birdlife International ou pelo Bonn Challenge, que buscam reflorestar pradarias tropicais e subtropicais, “ecossistemas com características próprias”, afirma ele.

É algo que “não deve ser praticado”, por exemplo, na “savana africana emblemática, uma formação de oito milhões de anos, onde a vegetação característica permitiu que as populações de mamíferos que exigem a manutenção desses ecossistemas”, enquanto a modificação dos ecossistemas na Europa ou na América do Norte “eles causaram sua extinção”.

É necessário “conservar esses espaços naturais para manter sua biodiversidade característica” e o carbono acumulado no solo, pois qualquer modelo para remover a terra libera dioco da Universidade de Lleida.

Resco trabalha desde janeiro na Universidade de Ciência e Tecnologia do Sudoeste, na China central, onde estuda como preservar e conservar ecossistemas no Tibete, o gerenciamento de reservas de água, ciclos de água e a migração de espécies vegetais, porque, como os humanos, “as plantas também se expandem, desaparecem ou migram”.

Ele explica que os resultados do reflorestamento “são vistos a longo prazo, cinco ou dez anos depois”, porque as plantas jovens administram pouco CO2 e “a captura não é garantida imediatamente”, é necessário que “alguns anos se a fotossíntese compensa a liberação de CO2 “.

A introdução de espécies exóticas invasoras

Além disso, com as mudanças climáticas é necessário fazer um estudo exaustivo das plantas que entram em novas áreas e podem se adaptar melhor a temperaturas de dois ou três graus acima das atuais.

O reflorestamento pode levar a outros problemas, como “a introdução de espécies exóticas invasoras” ou espécies que são mais fáceis de “pastar em incêndios florestais”, o que também requer “manejo florestal adequado”.

É o que aconteceu, em sua opinião, em países como Espanha, Portugal, Chile ou Argentina, onde nos últimos anos ocorreram incêndios de grande magnitude, com custos não apenas para a natureza, mas também para a vida humana e animal, ressalta. Resco de Dios.

A Espanha é o segundo país europeu em área florestal com 18 milhões de hectares, no entanto, em 2019 8.600 incêndios florestais ocorreram aproximadamente entre 1 de janeiro e 18 de agosto daquele ano, que queimaram cerca de 56.500 hectares.

Em relação ao reflorestamento, em 2017 houve um aumento na área repovoada, com 10.000 hectares, quando o reflorestamento de terras agrícolas se recuperou e quase o dobro do do ano anterior, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação.

Segundo esses números, a superfície de produção de repovoamentos é a mais alta nos últimos dez anos, embora entre 1996 e 1998 tenha atingido mais de 120.000 hectares.

Em Portugal, segundo dados do Instituto de Conservação Florestal e Natureza do Governo (ICNF), em 2019 ocorreram aproximadamente 7.200 incêndios florestais entre 1 de janeiro e 15 de agosto, 43% a menos do que no ano anterior.

No Chile, a área ocupada por repovoamentos é de aproximadamente 2,9 milhões de hectares de área florestal, dos quais 600.000 hectares foram queimados em 2017, mais de 50% do que foi queimado, segundo o Cadastro de Recursos Vegetais Nativos Do Chile.

Na Argentina, 1,3 milhão de hectares são repovoados, ou seja, 1,4% da área florestal.
Na África, a Bacia do Congo tem menos desmatamento, metade da Amazônia, explica Resco De Dios, no entanto, “as florestas estão sendo transformadas pela seca e pela aridez”.

Algumas práticas como ‘barra e queimadura ou barra e queimada’ (conhecidas em inglês como “barra e queimadura”) contribuem para isso.
É um exemplo claro da necessidade de conservar florestas nativas para salvar as margens da floresta do Congo; caso contrário, “muitas áreas naturais levarão até um século para recuperar seu estado natural”, conclui. EFE
lul.fch

Foto: Benamira. @alarena para @efeverde/@lifeinvasaqua


About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua