Las mariposas en riesgo por el lagarto Agama. EFE/Pam Harting/Florida Master Naturalist

Espécies invasoras alertadas na Flórida que colocam borboletas em risco

This post is also available in: Español (Espanhol)

EFEverde / Lifeinvasqua.- Miami, 10 de dezembro (EFE) .- O aumento da população de lagartos Rock Agama na Flórida, uma espécie invasora da África e reconhecível por sua cabeça laranja, alertou especialistas, que veem em sua rápida proliferação um Séria ameaça às borboletas nativas, indicou um relatório divulgado quinta-feira pela Universidade da Flórida (UF).

O relatório destaca em sua primeira página que o estado da Flórida, no sul, experimentou a maior proliferação de espécies exóticas de répteis não nativas do mundo, “aproximadamente três vezes mais do que em qualquer outra região do planeta”.

O relatório elaborado pelo Departamento de Ecologia e Conservação da Vida Selvagem, da UF / IFAS, aponta que entre as cinquenta espécies de lagartos não nativos existem quatro tipos da família Agamidae, sendo que um deles corresponde ao Agamá de Rocha de Peters, espalhada por toda a península da Flórida.

Este réptil nativo da África foi introduzido pela primeira vez na Flórida em 1976 através do comércio de animais de estimação e acredita-se que tenha começado a ser liberado na área de Homestead do condado de Miami-Dade e Palm City no condado de Miami-Dade. Martin, “áreas onde a população deste lagarto se expandiu amplamente.”

Embora o lagarto da rocha Agama de Peters pareça improvável de ter um “impacto negativo significativo sobre o meio ambiente” na Flórida, ele “representa uma ameaça potencial para borboletas, principalmente aquelas em perigo de extinção”, que têm seu habitat em o sul do estado e as Chaves.

Os lagartos Peters Rock Agama são reconhecidos por sua pele colorida, no caso dos machos, e seu tamanho relativamente grande em comparação com os répteis nativos da Flórida.

Os machos adultos podem atingir 30 cm de tamanho e geralmente têm a cabeça laranja ou ruiva, o corpo preto e a cauda com ponta preta precedida de uma coloração laranja.

“Não vemos o agama rock como uma grande ameaça para a vida selvagem local, como a píton birmanesa ou o tegu, mas sabemos que sua população está crescendo no sul da Flórida e que eles comem insetos e outros invertebrados”, disse Steve no relatório. A. Johnson, co-autor do estudo.

As pítons invasoras birmanesas se espalharam a tal ponto na maior reserva natural da Flórida, os Everglades, que estão dizimando a vida selvagem nativa.

Ninguém sabe ao certo quantas pítons existem nos Everglades, um enorme pântano de 1,5 milhão de acres (607.500 hectares) localizado no centro do extremo sul da península da Flórida, mas estima-se que possa haver dezenas de milhares.

Como a píton birmanesa, o tegu, uma espécie invasora não nativa de lagarto, se estabeleceu no sul da Flórida e representa uma séria ameaça para certos animais indígenas. EFE

emi / ar / cfa

 

ES / GUÍA “¡CUIDADO! INVASORAS ACUÁTICAS”

PT/ GUIA DAS ESPÉCIES EXÓTICAS E INVASORAS DOS RIOS, LAGOS E ESTUÁRIOS DA PENÍNSULA IBÉRICA

ENG/ GUIDE TO THE ALIEN AND INVASIVE SPECIES OF RIVERS, LAKES AND ESTUARIES IN THE IBERIAN PENÍNSULA

EFEverde

Exposición virtual ¿Cuidado! Invasoras acuáticas.


 (ES) El contenido de este documento refleja únicamente las opiniones
de sus autores y la Unión Europea/EASME no se hace responsable del uso
que pueda hacerse de la información contenida en él.


Más información sobre especies exóticas invasoras y medio ambiente en: www.efeverde.com

Catalogo de EEI en España BOE-A-2013

Sobre LIFE17 GIE/ES/000515  Life Invasaqua de la UE.

Especies exóticas invasoras de agua dulce y sistemas estuarinos: sensibilización y prevención en la Península Ibérica

Cofinanciado por la UE en el marco de la iniciativa Life  y coordinado por  la Universidad de Murcia,  LIFE INVASAQUA tiene por objeto contribuir a la reducción de los impactos perjudiciales de las ESPECIES EXÓTICAS INVASORAS (EEI) sobre la biodiversidad mediante el aumento de la sensibilización del público, el aumento de la formación en sectores involucrados y la creación de herramientas para un sistema eficiente de alerta temprana y respuesta rápida (Early Warning and Rapid Response, EWRR) para gestionar sus repercusiones en los ecosistemas de agua dulce y estuarios.

Life Invasaqua está coordinado por la Universidad de Murcia con la participación de 8 socios: EFEverde de la Agencia EFE, la UICN-Med, el Museo de Ciencias Naturales-Consejo Superior de Investigaciones Científicas, la Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC), la Universidad de Navarra, la Universidad de Santiago de Compostela, la Universidad de Évora y la Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua