Projeto europeu @lifeinvasaqua premeia estudos sobre espécie exóticas invasoras das universidades de Aveiro e Évora

Madrid, 18 fev (EFE).- Dois trabalhos sobre espécies exóticas invasoras (EEI), realizados por estudantes das universidades de Aveiro e Évora, foram os vencedores da primeira edição do concurso luso-espanhol sobre a problemática provocada por estas espécies promovido pelo projeto da UE LifeInvasaqua.

O comité avaliador premiou na categoria de “Estudos técnico-científicos sobre Espécies Exóticas Invasoras” o trabalho apresentado por Pedro Nuno Andrade Martin Félix: “Plano de gestão de infestações de jacintos aquáticos no rio Alviela (Santarém)”.

Foi também premiado, na categoria de “Estudos sociais, sócio sanitários e jurídicos sobre EEI” o trabalho de Cláudia A. Barrocas com o título “Espécies exóticas invasoras no rio Minho. Sensibilização de setores económicos primários através de ilustração científica”.

Os trabalhos vencedores foram selecionados entre um total de oito finalistas de Espanha e Portugal das universidades de Aveiro, Évora, Múrcia, Sevilha e Politécnica de Valência.

Foram abordadas nestes trabalhos questões como a dinâmica de colonização de crustáceos caprelídeos em portos desportivos, a abundância e uso do habitat do caranguejo azul (Callinectes Sapidus) na Albufeira de Valência, os métodos de controlo da cana (Arundo donax) nas ribeiras do rio Segura, ou a lista de alerta de vertebrados exóticos com potencial invasor em sistemas aquáticos epicontinentais da Península Ibérica.

O júri esteve composto por especialistas em EEI das universidades de Múrcia, Lérida, Santiago de Compostela, Navarrra e Lisboa e o Museu Nacional de Ciências Naturais (MNCN-CSIC) de Espanha, entre outros.

A primeira edição do concurso LifeInvasaqua dos melhores trabalhos de tese de mestrado sobre EEI procura promover o interesse por estas espécies, introduzidas de forma acidental ou intencional, e cuja expansão provoca impactos ambientais, sanitários e económicos de grande envergadura, de acordo com o projeto LifeInvasaqua.

Só no âmbito da UE, estima-se que a gestão, controlo e eventual erradicação de EEI cause custos acima dos 12.000 milhões de euros, segundo as estimativas da União.

Além disso, as EEI estão consideradas pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) como a primeira causa de perda de diversidade biológica nas ilhas e a segunda ao nível geral, depois da alteração dos ecossistemas.

O LifeInvasaqua é um projeto europeu de gestão e comunicação cofinanciado pelo programa Life da UE que conta com a participação das Universidades de Múrcia, Santiago de Compostela, Navarra e Évora, o MNCN-CSIC, EFEverde da Agência EFE, o centro para o Mediterrâneo da UICN, a Sociedade Ibérica de Ictiologia (Sibic) e a Associação Portuguesa de Educação Ambiental (ASPEA).

 

PT/ GUIA DAS ESPÉCIES EXÓTICAS E INVASORAS DOS RIOS, LAGOS E ESTUÁRIOS DA PENÍNSULA IBÉRICA

 


About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua