Espécies exóticas invasoras, uma ameaça crescente para as zonas húmidas

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

Foto: Cristina Yuste

Paloma San Segundo /Madrid, 2 de Fevereiro (EFEverde/Lifeinvasaqua) – As espécies exóticas invasoras (IAS) são uma “ameaça crescente” para as emblemáticas e artificiais zonas húmidas ibéricas e um perigo para as espécies autóctones, o que torna necessário desenvolver ferramentas para impedir a sua entrada e impedir a sua propagação.

“A prevenção do IAS é o instrumento mais eficaz e rentável do ponto de vista económico e ecológico para combater a proliferação destas espécies em zonas húmidas”, diz numa entrevista a Efeverde Francisco J. Oliva Paterna, Professor da Universidade de Múrcia e coordenador do projecto europeu Life Invasaqua, para comemorar o Dia Internacional das Zonas Húmidas.

De acordo com dados dos Ecologistas em Acção, desde a sua adesão em 1982 à Convenção de Ramsar – o tratado internacional para a conservação das zonas húmidas mais importantes do planeta – a Espanha acrescentou 75 áreas representando 304.541 hectares de superfície à lista das zonas húmidas mais importantes.

Em termos gerais, as IAS podem estabelecer-se em muitas partes destas áreas, “mas na maioria das vezes têm alguma relação com a água (fresca, salobra ou água do mar) que permite o seu estabelecimento e incentiva a sua expansão”, diz Oliva Paterna.

Plantas e animais, vertebrados ou invertebrados, invadem ecossistemas de zonas húmidas espanholas tão emblemáticos como Doñana, o Delta do Ebro, a Albufera de Valência ou o Mar Menor, mas também habitam zonas húmidas artificiais causando efeitos muito prejudiciais.

Estas espécies podem alterar o fluxo das correntes e a qualidade da água, reduzir os cursos de água e até causar o desaparecimento da pesca profissional ou desportiva e a extinção de espécies nativas como o farteto ou o salinete, entre os peixes; a rã dos Pirinéus, a rã ágil ou o sapo parteiro, entre os anfíbios, ou o patinho de cabeça branca, a garça-caranguejeira ou o abetouro, entre as aves aquáticas.

As zonas húmidas mais emblemáticas e as mais degradadas são as que receberiam a maior quantidade de IAS porque acumulam a maior quantidade de nutrientes, “a porta de entrada que incentiva a proliferação de espécies invasoras”, diz Oliva Paterna, enquanto que nas mais pequenas a presença destas espécies está intimamente relacionada com o seu nível de perturbação.

Pablo García Murillo é professor no Departamento de Biologia Ambiental da Universidade de Sevilha, membro do projecto European Life Invasaqua, especialista em plantas aquáticas e parte de um grupo de investigação sobre as zonas húmidas de Doñana, onde existem numerosos habitats aquáticos (pântanos e lagoas temporárias) ameaçados por espécies invasoras e poluição causada por nutrientes e “culturas intensivas e agressivas” que circundam este espaço.

“As plantas nativas da Península Ibérica são muito vulneráveis à acção humana. Muitas vezes não são capazes de suportar as elevadas concentrações de nutrientes na água em resultado da actividade agrícola ou pecuária e são frequentemente deslocados por outras espécies invasoras” que tiram partido das “lacunas” deixadas pelas espécies nativas, diz García Murillo.

Ele acrescenta que este é o caso de Doñana e muitas outras zonas húmidas da Península Ibérica, tais como lagos e lagoas nos Pirenéus, o Sistema Central, os Picos de Europa ou a Serra Nevada, todas elas onde as espécies vegetais estão “muito ameaçadas como resultado da acção humana e das alterações climáticas, o que acentua o processo.

Entre as plantas aquáticas mais ameaçadas em Doñana, este perito cita a mordedura da rã (Hydrocharis morsus-ranae), a única do seu género que sobrevive na Península Ibérica e cita geralmente algumas espécies de plantas nativas que necessitam de água muito limpa para sobreviver e mesmo plantas carnívoras que habitam turfeiras e subsistem comendo pequenos animais ou insectos por falta de nutrientes.

Plantas aquáticas invasivas

No extremo oposto encontram-se plantas aquáticas invasoras, como alguns fetos flutuantes de Doñana cujo “efeito sombra” impede a sobrevivência de espécies naturais que vivem no fundo, como é o caso da samambaia (Azolla Filiculoides) de origem sul-americana que resiste à seca e se espalhou excessivamente nos pântanos nos últimos anos.

E tudo isto sem esquecer o camalote que habita rios e águas paradas e em cuja eliminação foram investidos mais de 40 milhões de euros a Confederação Guadiana “sem resultados bem sucedidos”, diz Garcia Murillo.

Entre os invertebrados invasivos dominantes nas zonas húmidas, o Professor Oliva Paterna cita o caracol da maçã, o caranguejo azul ou o caranguejo vermelho americano, o mosquito tigre, que pode ser um vector de doenças e, entre os vertebrados, peixes como a gambusia, a carpa, as carpas, a tartaruga da florida ou a marta americana.

Descarga la guía Cuidado Invasoras Acuáticas

Exposición virtual ¿Cuidado! Invasoras acuáticas.


 (ES) El contenido de este documento refleja únicamente las opiniones de sus autores y la Unión Europea/EASME no se hace responsable del uso que pueda hacerse de la información contenida en él.


Más información sobre especies exóticas invasoras y medio ambiente en: www.efeverde.com

Catalogo de EEI en España BOE-A-2013

Sobre LIFE17 GIE/ES/000515  Life Invasaqua de la UE. Especies exóticas invasoras de agua dulce y sistemas estuarinos: sensibilización y prevención en la Península Ibérica

Cofinanciado por la UE en el marco de la iniciativa Life  y coordinado por  la Universidad de Murcia,  LIFE INVASAQUA tiene por objeto contribuir a la reducción de los impactos perjudiciales de las ESPECIES EXÓTICAS INVASORAS (EEI) sobre la biodiversidad mediante el aumento de la sensibilización del público, el aumento de la formación en sectores involucrados y la creación de herramientas para un sistema eficiente de alerta temprana y respuesta rápida (Early Warning and Rapid Response, EWRR) para gestionar sus repercusiones en los ecosistemas de agua dulce y estuarios.

Life Invasaqua está coordinado por la Universidad de Murcia con la participación de 8 socios: EFEverde de la Agencia EFE, la UICN-Med, el Museo de Ciencias Naturales-Consejo Superior de Investigaciones Científicas, la Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC), la Universidad de Navarra, la Universidad de Santiago de Compostela, la Universidad de Évora y la Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

TW: @lifeinvasaqua