El veterano de guerra Shawn Patterson posa con una pitón birmana el 9 de noviembre en Los Everglades, Florida. Como una manera de aliviar el estrés postraumático, grupos de excombatientes en Irak y Afganistán se adentran desde 2009 en el enorme humedal de los Everglades, en el sur de Florida, para ayudar a atajar la invasión de pitones birmanas que amenaza un ecosistema subtropical único. EFE/Alberto Domingo

Oitenta pitães birmaneses capturados durante o Python Bowl de 2020

#Outras_EEI #EEI_enelmundo

Miami,  janeiro (EFEverde) .- Mais de 750 pessoas de 20 estados diferentes capturaram 80 pitães birmaneses nos Everglades da Flórida durante o Python Bowl 2020, uma competição de dez dias com o objetivo de conscientizar o público sobre o perigo representado por esta espécie. invasivo para o ecossistema daquele parque natural localizado no sul da Flórida.

A Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem (FWC), organizadora da competição, distribuiu US $ 15.500 e dois carros em prêmios em uma cerimônia realizada em Miami no fim de semana.

Tom Rahill, criador de uma organização que ajuda os veteranos afetados pelo estresse pós-traumático a superá-lo com atividades nos Everglades, ganhou o prêmio pela maior e mais pesada cobra capturada graças a uma píton com mais de três metros de comprimento e 28 quilos

“Esse dinheiro realmente ajuda. Com tudo o que gastamos, esse prêmio sempre é útil e é uma maneira de mostrar esse grande problema”, disse ele à Efe na segunda-feira.

Rahill, que caça cobras em seu tempo livre, gasta anualmente milhares de dólares em equipamentos para pegá-las e garante que investirá o prêmio em dinheiro em uma nova plataforma para seu caminhão.

Mike Kimmel venceu o maior número de cobras caçadas durante a competição, capturando oito no total.
A FWC queria reconhecer o trabalho de veteranos de guerra e membros ativos do exército que participaram da competição e premiou Barry Offenburger e Dave Mucci.

Os pítons birmaneses, uma espécie invasora que não sabe ao certo como chegou aos Everglades, exterminaram grande parte da fauna local devido ao seu tipo de alimento e à sua facilidade de reprodução.
Essas cobras constritoras podem exceder 6 metros (19,6 pés) de comprimento e 100 quilos (220 libras) de peso.

Os participantes, muitos dos quais são caçadores profissionais desses animais, tiveram que passar por treinamento on-line obrigatório, enquanto outras 550 pessoas se inscreveram para treinamento sobre como capturar, identificar e localizar com segurança pitães birmaneses.
Portanto, por vários anos, autoridades e organizações ambientais como esta tentam coibir a população desses invertebrados com iniciativas dessa natureza.

El veterano de guerra David Charles (no retratado) muestra una pitón birmana el 9 de noviembre en Los Everglades, Florida. Como una manera de aliviar el estrés postraumático, grupos de excombatientes en Irak y Afganistán se adentran desde 2009 en el enorme humedal de los Everglades, en el sur de Florida, para ayudar a atajar la invasión de pitones birmanas que amenaza un ecosistema subtropical único. EFE/Alberto Domingo

El veterano de guerra David Charles (no retratado) muestra una pitón birmana el 9 de noviembre en Los Everglades, Florida. Como una manera de aliviar el estrés postraumático, grupos de excombatientes en Irak y Afganistán se adentran desde 2009 en el enorme humedal de los Everglades, en el sur de Florida, para ayudar a atajar la invasión de pitones birmanas que amenaza un ecosistema subtropical único. EFE/Alberto Domingo

Recentemente, a FWC iniciou uma colaboração com os organizadores da final da liga de futebol americana, o popular Super Bowl, realizado em Miami em 2 de fevereiro, com o San Francisco 49ers e o Kansas City Chiefs como protagonistas, para aumentar a conscientização do público sobre as mudanças climáticas e lançou o projeto “Do Oceano aos Everglades”.

Este projeto que ocorre antes do Super Bowl apresenta música e shows ao vivo de graça para todos os fãs.

“Do oceano para os Everglades” (O2E) também apresentará uma posição em que os fãs podem ser fotografados com uma cobra birmanesa ou um peixe-leão, duas das especiarias invasoras que vivem nesta região do sul dos Estados Unidos.

“Há muitos homens e mulheres que trabalham diligentemente todos os dias para combater o impacto prejudicial dessas espécies não-nativas”, afirmou o presidente do Comitê Organizador do Super Bowl, Rodney Barreto, em comunicado.

Esta é uma das vinte iniciativas que a organização lançou por ocasião do número 54 do Super Bowl para enfrentar os problemas sofridos pelo oceano e pelos Everglades.

Entre os principais objetivos deste programa está a proteção dos recifes de corais, que morrem a uma taxa exponencial devido à poluição e às mudanças climáticas.

Especialistas alertam que se nada for feito nos próximos dez anos, 90% dos recifes de coral serão perdidos no estado da Flórida, onde a grande maioria dessa espécie é encontrada na América do Norte. EFE
ado / ar / laa

 


O conteúdo deste documento reflete unicamente as opiniões dos
seus autores e a União Europeia/EASME não é responsável pelo uso que
se possa fazer da informação aqui contida.


 

About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua