El capitán de bomberos de Miami Jeff Fobb, ofrece a un grupo de personas algunos consejos sobre cómo enfrentarse a una serpiente pitón y como cazarla hoy, sábado 12 de enero de 2013, en Miami (EE.UU.). Unas 800 personas participarán en el primer concurso organizado por las autoridades de Florida para cazar pitones birmanas, una especie de serpiente no venenosa que ha invadido las zonas salvajes del sur del estado. EFE/ MAR GONZALO
lifeEditor

Flórida, em uma batalha diária contra pitães birmaneses

Ana Mengotti / Miami (EFE) .- A guerra sem quartéis contra os pitões birmaneses que tomaram conta da maior reserva natural da Flórida, os Everglades, onde estão dizimando a fauna nativa, desde 2017 eliminou 3.600 cópias de um espécies invasoras cuja proliferação está associada ao furacão Andrew.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, deu a ordem em agosto passado para lançar uma grande ofensiva contra os pitões, contratando mais caçadores e alocando mais fundos para programas que buscam sua erradicação.

Três meses depois, ele anunciou da capital do estado, Tallahassee, que as duas entidades envolvidas na luta, a Comissão de Conservação da Vida Selvagem da Flórida (FWC) e o Distrito de Gerenciamento de Água do Sul da Flórida (SFWMD), conseguiu até agora causar 3.600 baixas ao inimigo.

“É um marco importante nessa luta e mostra que nossas políticas estão funcionando. Juntos, continuaremos a aumentar esse sucesso e faremos o possível para conservar e restaurar o meio ambiente”, disse DeSantis, que demonstrou ter mais sensibilidade em relação a Questões ambientais que seu mentor político, o presidente Donald Trump.

Ninguém sabe ao certo quantos pítons existem nos Everglades, um gigantesco pantanal de 1,5 milhão de acres localizado no centro da ponta sul da península da Flórida, mas todos os empresários falam em dezenas de milhares.

A luta contra essas cobras restritivas que podem exceder 6 metros (19,6 pés) de comprimento e 100 quilos (220 libras) de peso é titânica. Não apenas pela dificuldade de encontrá-los na natureza, mas porque cada fêmea pode depositar até 100 ovos em sua vida.

Até agora, a luta está nas mãos de caçadores autorizados que viajam em seus caminhões pelas estradas que correm paralelas aos canais em busca de sinais do inimigo para matá-lo.

Mas descobrir uma píton na natureza é mais ou mais difícil do que capturá-la, pois sua bela pele de camuflagem os deixa fora da vista humana quando eles deslizam silenciosamente pela intrincada vegetação dos Everglades.

A tecnologia pode equilibrar os dois lados. Em um centro de pesquisa perto de Orlando (centro do estado), já existem cientistas trabalhando em uma câmara especial que deixará os pítons sem sua camuflagem natural.

Uma equipe da Faculdade de Óptica e Fotônica da Universidade da Flórida Central e a empresa belga Imec desenvolveram uma câmera que usa um tipo de tecnologia de raios infravermelhos com comprimento de onda de 850 nanômetros (o olho humano vê entre 400 e 700 nanômetros)

Essa câmera é capaz de capturar a maneira como a luz é refletida na pele dos pitões, que é diferente de como é refletida na água, no solo e na vegetação, e mostra à cobra uma cor branca brilhante e ambiente negro, ao contrário do que o olho humano vê.

Seus criadores, incluindo Orges Furxhi, gerente de pesquisa e desenvolvimento da Imec Florida, acreditam que essa ferramenta tecnológica pode ser decisiva para vencer a guerra contra a píton birmanesa.

Os pítons chegaram aos Everglades décadas atrás – a primeira captura documentada foi em 1979 – e estavam no topo da cadeia alimentar e sem mais rivais do que os gatos selvagens e as panteras da Flórida, ambas espécies ameaçadas de extinção, se reproduziram rapidamente até que se torne uma praga.

As organizações ambientais estimam que mais de 90% dos mamíferos nativos dos Everglades desapareceram nas mandíbulas dessas cobras vorazes.

Desde os primeiros anos dos anos 90 e em coincidência com o impacto do poderoso furacão Andrew (1992) na Flórida, os pítons começaram a proliferar nos Everglades.

Uma teoria, não baseada em dados concretos, diz que as cobras escaparam das lojas de animais destruídas por Andrew, que chegou a 24 de agosto de 1992 no sul do condado de Miami-Dade e passou como um rolo compressor pelo Cidade de Homestead.

Outra hipótese é que pessoas do sul da Flórida que compraram pítons para animais de estimação em suas casas acabaram jogando-os nos canais de Miami ou outras cidades do sul da Flórida quando começaram a crescer em tamanho.

Em setembro, a SFWMD aumentou os caçadores contratados de 25 para 50 e aumentou seu orçamento anual para o programa de erradicação para US $ 750.000.

Eles se juntam a uma equipe de caçadores da FWC, que fazem parte dos Swamp Apes (macacos do pântano), um grupo formado por ex-combatentes que lutam contra cobras e, ao mesmo tempo, contra o estresse pós-traumático.

Em 2017, a FWC veio trazer dois caçadores de serpentes da tribo Irala da Índia por seu conhecimento para “ler sinais” na selva que ninguém mais avisa. EFE
ar / abm / dmt

About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua