Lifeinvasaqua irá premiar os melhores trabalhos finais sobre espécies invasoras

This post is also available in: Español (Espanhol) English (Inglês)

05 de Outubro de 2020 – Reconhecer e estimular os conhecimentos gerais do campo académico sobre o problema das espécies exóticas invasoras é o objectivo do concurso de trabalhos finais de mestrado (TFM) sobre estas espécies promovido pelo projecto espanhol-português Invasaqua, financiado pelo Programa Life da União Europeia e coordenado pela Universidade de Múrcia (UMU).

Especificamente, esta iniciativa dirige-se a todos os estudantes de qualquer mestrado oficial de universidades espanholas e portuguesas que tenham defendido e aprovado o seu TFM relacionado com espécies exóticas invasoras durante os anos académicos de 2020-2021 e 2021-2022, os seus promotores explicaram numa declaração.

Desta forma, serão aceites trabalhos finais que, em qualquer das suas formas, tenham sido apresentados num mestrado universitário oficial, estejam relacionados e centrados na descrição e conhecimento da biologia e ecologia das NIC, dos seus impactos ecológicos ou económicos, bem como da sua gestão e controlo.

Também, nesta segunda edição do concurso TFM, serão permitidos trabalhos que abordem o conhecimento público ou sectores sociais específicos, os seus regulamentos ou os seus efeitos sócio-sanitários, bem como projectos com aplicabilidade relacionados com a IEE, entre outros.

O comité de avaliação, que será composto por especialistas na matéria e presidido, excepto em caso de incompatibilidade, pelo coordenador do projecto Life Invasaqua, terá em conta a originalidade e qualidade do trabalho final do mestre ou a importância do tema seleccionado em relação às espécies exóticas invasoras, a principal causa de perda de biodiversidade no mundo, de acordo com a UICN.

Da mesma forma, serão também avaliados os resultados obtidos e a sua aplicabilidade, bem como a afinidade com o tema geral do projecto Life Invasaqua, o problema das IAS num ambiente aquático.

Esta edição tem um prémio na categoria de “Estudos Técnico-Científicos sobre Espécies Exóticas Invasoras” e outro na categoria de “Estudos Sociais, Sócio-Sanitários e Jurídicos sobre Espécies Exóticas Invasoras”.

Cada prémio será dotado do subsídio para a inscrição e/ou participação num congresso ibérico sobre o tema ou ligado ao TFM (custo máximo a ser subsidiado 350 euros). Além disso, o TFM seleccionado como finalista receberá um diploma.

Os candidatos devem enviar um formulário de candidatura e a documentação necessária até 30 de Outubro de 2022 via e-mail para life_invasaqua@um.es, com “Invasive Alien Species Final Paper Competition” na linha de assunto.

A proposta será tornada pública antes de 10 de Dezembro de 2022 e as partes interessadas serão notificadas pessoalmente.

O principal objectivo do projecto Life Invasaqua é apoiar a comunicação, formação, gestão e disseminação de informação sobre espécies exóticas invasoras aquáticas em Espanha e Portugal (www.lifeinvasaqua.com). O Museu de Ciências Naturais, a IUCN, as Universidades de Santiago, Navarra, Murcia e Évora, Sibic, Aspea e a Agência EFE através da EFEverde da EFE360 estão a participar no projecto.

Regras do segundo concurso TFM sobre o IEE 

 

 


About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua