Formado por 13 islas grandes, 6 menores y 42 islotes, el archipiélago de las islas Galápagos está situado a unos mil kilómetros al oeste de las costas continentales de Ecuador y es conocido por su rica biodiversidad. EFE/José María Ortiz/Archivo

O risco de introdução e dispersão de espécies invasoras uma das principais ameaças à biodiversidade de Galápagos

Quito, 10 de junho (EFEverde) .- O Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) expressou nesta quarta-feira sua rejeição da possibilidade de ativar aeroportos nas Ilhas Galápagos para vôos internacionais diretos, que considera um risco para os “ecossistemas frágeis” do arquipélago equatoriano exclusivo e lembra que “atualmente, o risco de introdução e dispersão de espécies invasoras representa uma das principais ameaças à biodiversidade única de Galápagos.

WWF Equador se refere ao anúncio divulgado na terça-feira sobre o veto parcial do Projeto de Lei de Apoio Humanitário Orgânico pelo presidente equatoriano, Lenín Moreno, que incorpora uma disposição transitória que dá luz verde para direcionar vôos internacionais para ilhas.

O Fundo “rejeita a natureza desta disposição devido ao risco que ainda representa para os frágeis ecossistemas de Galápagos que estão intimamente relacionados aos meios de subsistência da comunidade local”, diz o documento.

E estende um apelo ao Estado equatoriano para promover e aumentar soluções para a recuperação econômica das ilhas “, que não prejudicam ou comprometem a integridade ecológica desse patrimônio natural inestimável para as gerações presentes e futuras”.

Recorda também o princípio da garantia contido na Lei Orgânica do Regime Especial de Galápagos (LOREG) e especifica “o risco potencial de introdução de espécies invasoras”.

A organização ambiental internacional insta o Equador a aumentar seu apoio ao arquipélago e a analisar outras medidas para alocar os recursos necessários para enfrentar a situação econômica da comunidade de Galápagos como conseqüência da crise causada pela pandemia do COVID-19 e da falta de turismo, sua principal fonte de renda.

O risco de introdução e dispersão de espécies invasoras

“Atualmente, o risco de introdução e dispersão de espécies invasoras representa uma das principais ameaças à biodiversidade única de Galápagos, bem como ao seu desenvolvimento econômico e ao bem-estar social e de saúde de seus habitantes”, afirma a nota.

E ele enfatiza que as principais rotas de introdução de espécies em Galápagos estão relacionadas ao aumento constante da demanda por produtos do continente e à crescente chegada de passageiros de diferentes partes do mundo.

O arquipélago abriga a sétima maior área marinha protegida do mundo, a Reserva Marinha de Galápagos, criada em 1998, e da área total da superfície terrestre, 96,7% é o seu Parque Nacional, também declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO. UNESCO em 1978.

Composto por 13 ilhas grandes, 6 menores e 42 ilhotas, está localizado a cerca de mil quilômetros a oeste das costas continentais do Equador e é conhecido por sua rica biodiversidade. EFE

db / elb / eat

Arquivo EFE/José María Ortiz/Archivo


About LIFE17 GIE/ES/000515 Life Invasaqua of the EU.

Espécies exóticas invasoras de água doce e sistemas estuarinos: sensibilização e prevenção na Península Ibérica

Co-financiado pela UE no âmbito da iniciativa Life e coordenado pela Universidade de Múrcia, LIFE INVASAQUA visa contribuir para reduzir os impactos nocivos das ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORASORAS (IEE) na biodiversidade, aumentando a sensibilização do público, aumentando a formação nos sectores envolvidos e criando ferramentas para um sistema eficaz de alerta rápido e resposta rápida (EWRRR) para gerir os seus impactos nos ecossistemas e estuários de água doce.

Life Invasaqua é coordenado pela Universidade de Múrcia com a participação de 8 parceiros:: EFEverde da Agencia EFE,  UICN-Med,  Museo de Ciencias Naturales-Centro Superior de Investigaciones Científicas,  Sociedad Ibérica de Ictiología (SIBIC),  Universidad de Navarra,  Universidad de Santiago de Compostela,  Universidad de Évora e Associaçao Portuguesa de Educaçao Ambiental (ASPEA)

@lifeinvasaqua